Smartphone Motorola Moto Maxx XT1225

A partir de:

R$ 1.598,00

Veja histórico de preços dos últimos 30 dias

Me avise quando o produto cair de preço

Alerta de Preço
Me envie um e-mail quando o preço chegar a:
37° no Ranking de: Celular e Smartphone
Publicidade

Histórico de preços

Histórico de preços

Me avise quando o produto cair de preço

Alerta de Preço
Me envie um e-mail quando o preço chegar a:
Dois meses após o lançamento do poderoso smartphone Moto X (2ª geração), a Motorola apresentou o Moto Maxx (modelo XT1225), com configuração ainda melhor do que o Moto X. Se o Moto X já tem ótimo desempenho, que comprovei no review, imagine o Moto Maxx.

<<< Assista nosso vídeo review do Moto Maxx >>>

Configuração de respeito e bateria de longa duração


O Moto Maxx usa processador Qualcomm Snapdragon 805, que é o topo de linha da empresa até o momento deste review. Ele tem 4 núcleos e trabalha a 2,7 GHz. A GPU é a Adreno 420 e a memória RAM é de 3 GB. O armazenamento interno é de 64 GB (não há slot para expansão). O aparelho ainda é munido de mais dois processadores que tem tarefas mais pontuais, para reconhecer gestos e voz, deixando a CPU principal para tarefas principais e assim economizando energia.

Também conta com Bluetooth 4.0, NFC, Wi-Fi padrões 802.11 b/g/n/ac e rede 4G. O Android instalado é o KitKat (4.4.4) e está elegível para receber a atualização para a Lolipop (5.0). Vale citar a bateria que tem capacidade nada menor do que 3.900 mAh. Para ter uma ideia de referência, há tablets de 7 polegadas que usam esta capacidade.

Acabamento e design


Lembram do Moto Razr? Foi o primeiro smartphone do mercado a inovar o acabamento trazendo Kevlar na parte de trás. Pois é, a Motorola usou o Kevlar novamente para a parte de trás do Moto Maxx, mas ela incrementou a ideia. Além desse material muito resistente, foi adicionada uma camada de nylon balístico, que é um tipo especial de nylon usado em uniformes militares, algumas mochilas e malas.

Se ele pode tomar um tiro? Não é para tanto. Mas ao segurá-lo, você sente que é bastante forte. Segundo a Motorola, a escolha desses materiais foi feita pensando na espessura do aparelho. A bateria de 3.900 mAh é espessa, pesada e, como esses materiais são tecidos, eles colaboram para que o aparelho não fique grosso e nem tão pesado. Mas uma ressalva é preciso ser feita. Como esses dois materiais são tipos de tecidos, nada impede que esse revestimento possa ser rasgado por um objeto cortante. É claro que será muito difícil alguém passar uma faca no celular, mas acidentes acontecem... portanto, fica aqui o aviso.

As dimensões do Moto Maxx são de 14,3 centímetros de altura por 7,3 cm de largura e 1,1 cm de espessura. As bordas laterais da parte de trás são curvas e por isso, as laterais do aparelho tem espessura de 0,8 cm. O peso é de 175 gramas. Ok, ainda é pesado perante outros aparelhos, mas não é nada que incomode. A espessura também não incomodou no bolso e o material ajuda a não escorregar das mãos.

Chip de telefonia no botão de volume


Uma curiosidade no design é que o chip de celular (padrão nano-SIM) é inserido pelo botão de controle de volume, que fica no lado direito do aparelho. O botão é retirado e, bem no centro dele está o slot para encaixar o chip. E as duas pontas fazem o contato para diminuir e aumentar o volume.

É muito fácil remover o botão, basta puxar com a ponta da unha, por meio de uma ranhura finíssima na parte de baixo dele. Não vi nenhum ponto negativo nessa inovação, pois o botão fica bem fixo e, além disso, depois de inserido o chip, se presume que ele não mais será retirado, ao menos até que se resolva trocar de operadora, mas isso também leva tempo. E vale dizer que isso economizou um slot, o que significa um buraco a menos no aparelho e um design mais clean.

A tela é mais um dos destaques


A tela é de 5,2 polegadas e isso pode ser um problema para mãos pequenas. Para alcançar os cantos da tela com apenas uma das mãos, será preciso pegar o telefone pelo meio, o que deixa a posição um pouco desajeitada. A tecnologia é a AMOLED, que fornece alto brilho e cores vivas, além de ótimo ângulo de visão.

A resolução é uma das maiores do mercado, quad HD, ou seja, 1440 x 2560 pontos. A densidade chega a 565 pontos por polegada, e isso significa que você vê as imagens como uma pintura, sem nenhum espaçamento entre os pixels. O vidro que reveste a tela é o famoso Gorilla 3, tecnologia desenvolvida pela Corning, que resiste a arranhões e choques leves.

O desempenho é excelente


Usando a última geração de um dos maiores fabricantes de processadores para celulares era de se esperar um desempenho de um foguete. E é isso mesmo que os testes provaram. E mais do que o processador, são 3 GB de RAM (a maioria dos smartphones top-de-linha usam 2 GB) e uma GPU (processador gráfico) também de última geração que roda os jogos mais sofisticados em termos de textura e definição dos objetos.

Rodamos os jogos Real Racing 3, Beach Buggy Blitz, Dead Trigger 2 e Rival knights sem o menor problema de lags ou travamentos. Assistir filmes em alta definição também é uma tarefa fácil para o Moto Maxx. Enfim, com um processador de 2,7 GHz e uma memória RAM de 3 GB, eu não esperava menos.

Rodei benchmarks, que são aplicativos que mensuram capacidade de processamento. Não servem como experiência de uso, mas sim para comparar poder absoluto para cálculos. O Antutu benchmark marcou 48.543 pontos. O Quadrant chegou a 21.156 pontos. E o PC Mark alcançou 3.727 pontos.

Compare com outros smartphones que já fizemos review para ter uma ideia. O que posso garantir de imediato é que são números grandes para esses benchmarks. Você também pode baixar esses apps em seu smartphone para fazer uma comparação; são gratuitos.

Foto e vídeo


A câmera principal do Moto Maxx faz fotos em impressionates 21 megapixels. Mas é claro que todos já sabem que isso só significa uma foto grande. A parte boa de muitos megapixels é que, quando redimensionamos a foto para um tamanho menor, os pixels se agrupam e assim a foto não sai granulada ou com pixels espalhados.

Mas o que realmente faz uma boa foto é o conjunto de lente, sensor e software. E definitivamente o Moto Maxx não usa nada que seja apenas o essencial para uma boa foto, mas ele perde para os Lumias que são topo de linha e para o Galaxy S5.

Fiz vários testes e posso dizer que as fotos ficam ótimas em ambientes muito claros, mas isso é o mínimo que esperamos de uma câmera. As falhas ficam em ambientes pouco iluminados onde percebemos granulação e também quando mexemos um pouco o telefone e a foto sai tremida, pois a estabilização é fraca.

Enfim, as fotos saem boas, mas para um telefone topo de linha poderia ser melhor. O software da câmera não é sofisticado, aliás aqui está um ponto negativo e outro positivo. O elogio vai para a simplicidade de uso e configuração da câmera. A crítica vai para a falta de opções de configuração manual. Poderia haver ajuste de ISO, balanço de brancos, abertura da lente, afinal, é um smartphone topo de linha. O software é igualzinho ao do Moto X e Moto G. Configuração simples, fácil de usar, porém sem muitas opções para fazer as fotos.

Ok, é preciso citar que existem os modos HDR, panorama e tem zoom de 4x, inclusive enquanto filmamos. E se mantermos o dedo na tela, o Moto Maxx faz fotos sem parar, em uma velocidade aproximada de 1 foto por segundo (pouco para ser chamado de modo burst, o Razr i, por exemplo, lançado em 2012, fazia cerca de 15 fotos por segundo. Isso sim, é modo burst. E também era da Motorola.

Na parte de vídeo, o Moto Maxx grava nas resoluções de 1080p (full HD), 4K (Ultra HD) e em câmera lenta (720p) . A qualidade dos vídeos em 1080p que fiz ficou ótima, desde que feitos sobre boa iluminação. Para visualizar o vídeo 4K no celular, há lags, o que mostra que o processador e a memória RAM de 3 GB não foram suficientes para rodar o filme em 4K.

Em um PC, o vídeo fluiu normalmente, porém é interessante ver esse conteúdo em uma TV 4K ou monitor 4K, para aproveitar todos os detalhes. Já o resultado do vídeo em câmera lenta são as famosas brecadinhas, ou soquinhos, o que é irritante também. Enfim, a câmera do Moto Maxx é interessante para vídeos em full HD e tira ótimas fotos em ambientes claros. É só. A câmera dianteira faz fotos em 2 MP e filma em full HD.

Recursos específicos do Moto Maxx


Assim como o novo Moto X (chamado de 2ª geração), o Moto Maxx traz diferenciais diante dos concorrentes. Ele utiliza dois processadores a mais, que controlam apenas voz e gestos. Assim a CPU principal fica livre para outras tarefas e a bateria não é consumida rapidamente.

Para tirar o aparelho de stand by, por exemplo, basta mover a mão sobre a tela. Claro que vai além disso, como marcar um compromisso na agenda apenas ditando o compromisso, sem precisar mexer no aparelho, inclusive com ele em stand by, o que é muito útil se você estiver dirigindo. Ele também lê mensagens e fala quem te ligou enquanto você está ao volante.

Para ver todas as funções, veja o review do Moto X 2ª geração no item "recursos únicos".

Duração de bateria e o carregador "turbo"


O Moto Maxx tem uma bateria de 3.900 mAh, a maior do mercado até o momento para um smartphone. O valor que os concorrentes usam fica entre 2.000 e 2400 mAh. Portanto, é uma boa diferença, podendo chegar ao dobro em alguns casos. A Motorola informa que pode chegar a 40 horas de uso, mas isso se usarmos pouco os recursos do aparelho.

Executamos nosso teste padrão: Usei nosso teste padrão. Tirei o aparelho da tomada às 8 horas da manhã. Foram feitas dez fotos e um vídeo de cinco minutos. Em seguida usamos o GPS por 30 minutos (com acesso a web via 4G da Vivo para carregar o mapa). Fizemos chamadas no total de 30 minutos. Navegamos na web durante três horas (acessamos sites, e-mails e redes sociais). Jogamos por 20 minutos. ouvi música por uma hora. Mais 15 minutos foram usados para exibir as fotos e o vídeo feitos e 10 minutos de vídeo pelo Youtube.

Importante dizer que deixamos o brilho da tela no automático, o que era suficiente para visualizar tudo com conforto. E boa parte do dia, o aparelho ficou em stand by. E para economizar o máximo de energia possível, desligamos a sincronização automática das redes sociais, e-mail e a procura de redes Wi-Fi, itens que consomem boa parte da energia. O Bluetooth e o NFC também não foram utilizados. Nestas condições restavam 48% de energia às sete e meia da noite.

Com uso moderado dos recursos, apenas acessando redes sociais e web eventualmente, esta marca subiu para 64% de energia no fim do dia. Portanto, a bateria não vai durar 40 horas, Mas será possível usar muitas funções do Moto Maxx e chegar até a noite sem precisar do carregador. E com uso moderado não chega a dois dias, mas a parte boa é que o carregador deste aparelho oferece mais amperagem do que um carregador comum. Isso significa que ele carrega mais rápido, Com uma carga de 15 minutos, ele consegue fornecer seis horas de uso para a bateria.

Traseira do Moto Maxx usa revestimento em Kevlar. Material é leve e resistente.

Tela de 5,2" com tecnologia AMOLED e alte resolução

Conclusão

Rene RibeiroPor: Rene Ribeiroem 5/1/2015

O Moto Maxx é o smartphone topo de linha da Motorola até o momento de publicação deste review. O desempenho é excelente e a compatibilidade com aplicativos foi ótima. A experiência de uso é muito boa: apesar do telefone ser um pouco pesado por causa da bateria grossa, a vantagem é que temos energia para o dia todo mesmo com bastante uso dos recursos. Além disso, o acabamento em Kevlar e Nylon especial não deixam o telefone escorregar da mão e, se fosse outro tipo de material, o Moto Maxx ficaria mais pesado ainda. Os dois processadores extras, que já eram utilizados no Moto X e Moto X de 2ª geração, trazem funções únicas para o Moto Maxx, como entender gestos e voz. A câmera tira fotos muito boas mas não no escuro. O dual flash nao ajuda muito. O vídeo em full HD é ótimo, assim como o 4K.

Contras:

- Pesado;
- câmera boa, mas por ser um telefone caro e premium, esperava mais;
- o acabamento em kevlar é resistente, mas como é tecido, pode sujar ou até mesmo desfiar com o tempo.

Prós:

- Ótimo desempenho;
- ótima tela;
- recursso novos funcionam bem;
- bateria de longa duração.

Opinião dos Consumidores

9Baseada em 227 opiniõesEnvie sua opinião
Funções e Características
          9
Facilidade de Uso
          10
Duração da Bateria
          9
Durabilidade
          9
Display
          10
Design
          8
Custo-Benefício
          8
Câmera
          9
92%Dos consumidores recomendam este produto

O que dizem os consumidores sobre esse produto:

Comparando com os concorrentes

 
Produto
Smartphone Motorola Moto Maxx XT1225
Smartphone LG G4 H815P
PreçoR$ 1.598,00R$ 1.500,90
NotaNaN9
Posição no Ranking de
Celular e Smartphone
37°de 40915°de 409
Prós
  • Desempenho excelente;

  • Tela de qualidade;

  • Novos recursos;

  • Autonomia da bateria.

  • Tela Quad HD com cores vibrantes

     

  • A câmera e seu modo manual

     

  • A bateria pode ser acessada e trocada

     

  • Desempenho fortíssimo

     

  • Alta capacidade de expansão

Contras
  • Pesado;

  • Câmera poderia ser melhor;

  • Acabamento em kevlar é resistente, mas pode sujar ou desfiar com o tempo por ser de tecido.

  • O design não traz mudanças significativas, a não ser pela capa de couro em uma de suas versões
Tela, acabamento e desempenho

A tela AMOLED de 5,2" tem resolução quadHD (1440 x 2560) e vem protegida com Gorilla 3. É o primeiro smartphone a ter acabamento em kevlar acrescido de nylon balístico, que o torna muito resistente. Vem equipado com processador quad-core de 2,7 GHz, 3 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, que oferecem desempenho excelente, mesmo nos jogos pesados. 

Com 5,5” e resolução Quad HD (2560 x 1440 pixels), a tela Quantum IPS apresenta imagens com cores vibrantes e proteção Gorilla Glass 3. Suas bordas arredondadas e a traseira curva oferece boa ergonomia. Processador hexa-core Snapdragon 808 de 1,8 GHz e 3 GB de RAM entregam ótimo desempenho. São 32 GB de espaço, com expansão até 2 TB via microSD.

Conectividade, câmeras e bateria

Tem 4G, Wi-Fi , Bluetooth, GPS, NFC e novos recursos. A câmera frontal tem 2 MP; a principal faz fotos em 21 MP e filma em 4K, com possibilidade de fazer câmera lenta a 720p.As imagens são boas, mas o sensor não é dos melhores. Os 3900 mAh chegam a quase dois dias de uso moderado e, com o carregador turbo, em 15 min você tem carga por mais 6 horas.

Possui 4G, Wi-Fi ac, GPS, Bluetooth 4.1 e NFC. A câmera traseira possui 16 MP e faz ótimas fotos graças à abertura de f/1,8. Dá para se sentir um fotógrafo no modo manual. Vídeos são gravados até em 4K. A ótima câmera frontal possui 8 MP. Nos testes, a bateria de 3000 mAh suporta um dia de uso moderado, mas não aguenta um dia de uso pesado.

Ficha técnica

Informações Básicas
TipoSmartphone
MarcaMotorola
LinhaMoto Maxx
ModeloXT1225
ChipsSingle Chip
Câmera
Câmera Traseira21 Megapixels
Funções da CâmeraFilma em 4K, Flash, Foco Automático, Zoom de 4x
Câmera Frontal2.0 Megapixels Frontal
Tela
Tamanho da Tela5.2 polegadas
Tipo de TelaAMOLED
Resolução2560 x 1440 Pixels
Hardware
ProcessadorQualcomm Snapdragon 805
NúcleosQuad-Core (4 Núcleos)
Velocidade do Processador2.7 GHz
Memória Interna64 GB
EntradasFone de Ouvido, Micro USB
Software
Sistema OperacionalAndroid
VersãoKitKat
Características e Conectividade
Internet4G, Wi-Fi
RecursosBluetooth 4.0, MP3 Player, NFC, Wi-Fi Direct
Bateria
Bateria3900 mAh
Dimensões
Largura72,9 mm
Altura143,4 mm
Profundidade8,55 mm
Peso160 g